Opinião | Para além dos problemas financeiros, por que Volpi quer deixar o Consórcio?

Opinião | Para além dos problemas financeiros, por que Volpi quer deixar o Consórcio?

Na última sexta-feira, toda a classe política da região do ABC foi surpreendida com uma bomba, lançada em primeira mão pelo jornalista Leandro Amaral, do RDTV: o prefeito de Ribeirão Pires, Clovis Volpi (PL) cogita sair do Consórcio Intermunicipal do ABC.

O prefeito alega, antes de tudo (e diga-se de passagem, com razão!), que a dívida deixada pelas duas últimas administrações da Estância (Saulo Benevides e Kiko Teixeira) afogaram a vida financeira da cidade. Toda a polêmica em torno de uma dívida astronômica começou quando Kiko assumiu a prefeitura e constatou uma dívida enorme deixada por Saulo, derrotado e com resultado pífio nas urnas em 2016. Agora, é Volpi quem reclama da dívida deixada por seus antecessores.

No entanto, para além da dívida, o jornalista Leandro Amaral, relatou que Volpi não teria gostado nada da nomeação de duas figuras conhecidas do cenário Ribeirãopirense: Gabriel Roncon e Dedé da Folha foram nomeados em posições importantes na prefeitura de Santo André, pelo prefeito Paulo Serra.

Além disso, segundo os bastidores políticos, no horizonte de alguns, já aparece as eleições de 2022, que por sinal, causa preocupação no meio político regional e local: Volpi deve apoiar a candidatura do deputado estadual Thiago Auricchio (PL), enquanto que Paulo Serra trabalha para unir nomes importantes da política regional, da primeira a última cidade da região, em torno da candidatura de Ana Carolina Barreto Serra, primeira-dama de Santo André que deve concorrer a uma vaga na ALESP.

Ao dar força para dois nomes importantes da política da Estância, Paulo Serra atrapalha a hegemonia política em torno do nome escolhido pelo governo Volpi. Vale lembrar que, nas eleições municipais de 2020, Gabriel Roncon emplacou o PTB como a sigla mais votada para o legislativo na cidade.

No entanto, para além das brigas políticas, uma saída do Consórcio de prefeitos não vem em momento oportuno: a entidade de prefeitos foi extremamente importante e continua tendo grande protagonismo no combate a Covid-19 na região. Os sete prefeitos reunidos possuem grande poder de reivindicação perante o Governo do Estado, seja frente aos temas mais simples, quanto frente aos temas mais complicados.

Neste momento em que a região se articula para promover uma vacinação em massa para retomar a economia, a saída do Consórcio não seria benéfica para Ribeirão e a experiência de Volpi deverá falar mais alto do que intrigas políticas, até porque, no Consórcio os prefeitos conseguem mais força para adquirir recursos.

Se Ribeirão Pires sofre com a dívida, é no Consórcio que se pode adquirir meios para sanar este problema.